Você está aqui: Página Inicial / Ações do CFA / Artigos de Adm / Artigo dos usuários / 6 dicas para o desenvolvimento gerencial

CFA

6 dicas para o desenvolvimento gerencial

Desenvolvimento gerencial

Comments
por Adm. Eduardo Almeida Teles ” 05/05/2015 11h11
Colaboradores: Hélio Andrade Júnior
Crescer no mercado é um grande desafio, é preciso se diferenciar dos concorrentes, com qualidade nos processos de planejamento e implementação das estratégias, e nisso o gestor é peça fundamental, pois caberá a ele a condução de sua equipe para o alcance das metas e objetivos de sucesso.

Por Adm. Eduardo Almeida Teles

Levar uma empresa ao sucesso está cada vez mais difícil, devido ao aumento da concorrência tanto em quantidade como em qualidade, e em tempos assim, ser pró-ativo e ágil para se adaptar às mudanças é fundamental, e para isso, os gestores precisam estar mais preparados para conduzir os membros de suas equipes da melhor maneira possível.

Muitas empresas iniciam suas atividades com estrutura muito simples, com o proprietário a frente do negócio, combinando funções estratégicas e operacionais, e contando com um pequeno quadro de funcionários. Seja numa pequena empresa, ou numa grande corporação, com centenas de colaboradores e orçamento milionário, a necessidade de desenvolvimento de uma visão comum a todos é elemento de diferenciação.

Crescer é um grande desafio, pois acompanhar o volume de negócios requer gestão alinhada as novas necessidades, o que antes um gestor era capaz de acompanhar, agora é humanamente impossível, gerir 8 pessoas é bem diferente de 800, além de outras demandas como o grande número de clientes, de processos operacionais, de organização, pagamento de tributos, entre outras coisas, que no fim torna tudo muito mais complexo.

O papel do gestor é fundamental para a condução equilibrada das empresas, desde a área estratégica, até os níveis táticos e operacionais, o que deve vir a facilitar a promoção da visão, missão e valores, fortalecendo a cultura integradora e produtiva e melhorando o clima organizacional, atuando diretamente nas equipes, de forma rápida e precisa, fomentando a consciência de interdependência entre os departamentos, da importância da contribuição de cada um para toda a cadeia de suprimentos da organização.

A seguir serão apresentadas algumas técnicas e ferramentas que todo bom gestor deve saber manejar, além das responsabilidades, definição do estilo de abordagem e seus efeitos, mas antes de tudo será determinante que o candidato traga um alto grau de motivação, dedicação, comprometimento, estudo e humildade.

Conheça a si próprio.
É muito importante que o gestor desenvolva o autoconhecimento e autoimagem realista, já que, nesta função a parte técnica fica diminuída em relação ao domínio de competências interpessoais na gestão das pessoas, e o resultado de como vemos o outro, de forma isenta e justa, definindo seus pontos fortes e fracos, depende muito do como vemos a nós mesmos e dos nossos valores.

Saiba comunicar-se.

Outra técnica importante e que deve ser bem desenvolvida pelo gestor é a comunicação, que seja aplicada de forma clara e assertiva, evitando-se conflitos e mal-entendidos. Ainda nesse campo, deve utilizar o feedback como ferramenta de desenvolvimento da sua equipe, não confundindo com desabafo ou conselho, tendo sempre como fim a melhoria do colaborador.

Assuma suas responsabilidades.

O gestor é responsável por buscar os resultados em seu departamento, utilizando de forma eficaz os recursos disponíveis, sejam financeiros, estruturais e humanos, no que concerne a este último, deve fazer acompanhamento, desde a etapa de seleção, passando pelo treinamento, no dia a dia de trabalho com uso de feedbacks, e nas avaliações de desempenho. Deve criar um clima de integração, confiança e estímulo para o desenvolvimento de competências importantes para a empresa, e para tanto, o exemplo pessoal de conduta é peça chave, com coerência entre discurso e atitude.

O gestor tem o papel de definir objetivos e metas para o futuro, assim como planos de ação que possam dar aos membros da equipe os rumos para alcançá-los, assim como combinar bem as funções de gerente e de líder, onde no primeiro com características voltadas ao planejamento, controle e mensuração, e no segundo atuando mais na implementação, comunicação e incentivo.

Identifique o estilo adequado a cada situação.

Existem várias definições para estilos de liderança, que independente de nomes e escalas, sempre “gravitam” entre extremos, de modelos coercitivos/controladores aos democráticos/participativos. Como a gestão é um ato relacional, portanto de mão dupla entre o gestor e o grupo, sua atuação deve ser situacional, necessitando do gestor grande capacidade de análise geral das demandas e de empatia com o grupo para perceber neles o nível de maturidade, e a partir disso, adotar o estilo de liderança mais adequado para alcançar melhores resultados.

Não pense somente a curto prazo.

O bom trabalho do gestor quase sempre gera influências positivas antes de resultados positivos, numa ordem de causa e efeito. Existem situações em que um trabalho de base deve ser feito, influenciando na cultura, o que pode trazer inicialmente resultados tímidos ou até inferiores aos acompanhados anteriormente, contudo em pouco tempo os bons resultados devem chegar, e o mais significativo é que de forma crescente e sustentada.

O segredo está nas pessoas.

Por fim, pessoas bem treinadas tecnicamente e alinhadas com os objetivos da empresa tendem a se comportar com mais engajamento, compromisso e colaboração, gerando resultados para a empresa com criatividade, inovação e sinergia. O caminho mais rápido e seguro para que a organização tenha profissionais competentes, éticos e autônomos é através de boas escolhas para os cargos de gestão, que estes assumam verdadeiramente o papel de agentes de mudanças, de multiplicadores, servindo de exemplo, sendo líderes que formam novos líderes em vez de simples seguidores.