Você está aqui: Página Inicial / Ações do CFA / Artigos de Adm / Artigo dos usuários / Empreendedorismo: captação de recursos para Instituições de Ensino Superior (IES)

CFA

Empreendedorismo: captação de recursos para Instituições de Ensino Superior (IES)

Comments
por Bruno Silva Fraga ” 26/01/2015 15h14
Empreendedorismo; empreender; educação superior; IES; captação de recurso

Por Bruno Silva Fraga

Captação de Recursos no Brasil ainda é um grande obstáculo para instituições, principalmente para o Terceiro Setor. Isso por que há dificuldade em obter incentivos fiscais, profissionalização das instituições, criação de parcerias por parte das empresas nas instituições de ensino superior (IES), além da formação cultural. Isto é, não muito comum doações para faculdades e universidades. Algumas IES têm desenvolvidos alternativas para captação de recursos. Abaixo segue um conjunto de alicerces essenciais que poderão auxiliar na captação de recursos nas instituições de ensino superior.

 

A associação dos antigos alunos nas instituições acadêmicas para captação de recursos

A importância dos antigos alunos é relevante em toda a atividade de desenvolvimento, estabelecimento de parcerias e especialmente na captação de recursos para campanhas de capital ou de manutenção das instituições de ensino superior. Por exemplo, a criação de associações de ex-alunos podem representar o maior patrimônio que uma instituição de ensino pode ter.

Uma vez identificados os doadores, pode ser feita uma pesquisa e realizar uma avaliação. Eles começam, então, a ser preparados e, sem se darem conta, poderão se envolver com a causa.

A seguir, há alguns fatos que podem evidenciar o sucesso da captação de recurso para educação superior:

  1. Convidar para investir na causa, através de parcerias com alunos e ex-alunos;
  2. Mencionar que os resultados são a médio e longo prazo. Desse modo, o reconhecimento de pessoas que doaram pode ajudar, pois pode dar visibilidade à causa e ao doador, assim, estimular outros a doarem;
  3. Agir com transparência. Assim, o doador deverá ser informado de como foram aplicadas suas contribuições e entre outros.

 

Há alguns critérios que podem ser utilizados pelas instituições para promover um programa de relacionamentos com seus alunos:

  1. Elaborar um site exclusivo para os ex-alunos possam acessá-lo para recebimento de informações diversas e com assuntos de seu interesse;
  2. Incentivar que os ex-alunos mantenham os dados sempre atualizados;
  3. Por meio dessa comunicação virtual(email e internet), efetuar a divulgação de projetos, cursos de aperfeiçoamento profissional e outros;
  4. Criar um programa na internet que possibilite ao antigo aluno conseguir ou procurar empregos nas empresas parceiras da instituição de ensino;

 

Captação de recursos através de doações

No Brasil, ao contrário dos países desenvolvidos, a quantidade de profissionais especializados (fundraiser) em fundraising (captação de recursos) ainda é muito pequena, além de haver reduzido números de livros sobre o tema em língua portuguesa. Esses especialistas são responsáveis em desenvolver técnicas e métodos criativos para levantar recursos financeiros para a sustentabilidade institucional, através de um conjunto de estratégias e procedimentos. Folders, folhetos ou catálogos são alguns dos instrumentos utilizados com esse propósito. Normalmente são elaborados de modo a informar com clareza o que será feito com os recursos. Os doadores são mantidos informados sobre as atividades da instituição favorecida, que lhes envia frequentemente relatórios financeiros sobre suas atividades e principalmente, sobre os resultados dos projetos em andamento e os daqueles já concluídos.

O método para captar recursos através de doações costuma apresentar duas facetas: conteúdo e forma. Normalmente, o conteúdo é a informação que se pretende passar, já a forma é como se pode passar a informação. A forma de apresentar uma causa, se criativa, poderá apresentar bons resultados na captação de recursos. Atingir esse objetivo é necessário seguir essas etapas:

  1. Identificação e classificação do potencial doador;
  2. Avaliação e capacidade de contribuição, dimensionando o que pode receber;
  3. Preservação do relacionamento com doador/motivo em potencial, através de convites para palestras e solenidades; informações sobre os projetos da instituição;
  4. Realizar convites para investir na causa;
  5. Agradecimento pela contribuição;
  6. Reconhecimento pela contribuição; e por fim,
  7. Prestação de contas.

 

A motivação pode ser considerada o principal fator que leva uma pessoa a adotar uma causa relacionada com uma instituição de ensino superior ou não, contribuindo para ela com doações em dinheiro, bens ou trabalhando como voluntária. Esse é apenas um dos exemplos. Há outros fatores que levam o individuo a doar como convicções religiosas, sentimento de culpa, isenção de impostos e dentre outros motivos.

A cultura doadora pode ser estimulada, desde que deixe explícito que os resultados que poderão vir médio e longo prazo