Você está aqui: Página Inicial / Ações do CFA / Artigos de Adm / Artigo dos usuários / Existe fórmula para o suce$$o?

CFA

Existe fórmula para o suce$$o?

liderança + motivação = suce$$o

Administrar é fácil. Saber como administrar da melhor maneira possível é que se torna o segredo do sucesso. Então, agir com liderança revela o melhor caminho para o sucesso. Assim sendo, liderança + motivação = suce$$o?

Por Adm. William Resende de Faria

Com o advento da globalização as organizações adquirem a necessidade de cada vez mais obter avanços científicos e tecnológicos para adaptação e implantação das inovações de sucesso em um cenário mercadológico de alta concorrência em que a inovação deve ser constante.
Neste contexto, a figura do colaborador ganha destaque, uma vez que toda a estratégia organizacional é executada por pessoas contratadas com finalidade de realização das tarefas estabelecidas pelos gestores da organização. Entretanto, ficam intrínsecos barreiras e limites organizacionais que, podem ou não, interferir na capacidade produtiva do profissional selecionado.
Portanto, é desejável que a organização adote ações para resgatar valores que reforcem a importância e a necessidade de qualificar e motivar todos os membros de sua equipe de colaboradores, visando o aperfeiçoamento do clima e cultura organizacional. Proporcionando oportunidades de se melhorar o relacionamento interpessoal entre colaboradores, gestores e clientes, para a promoção de um ambiente mais produtivo, conseqüentemente, mais lucrativo.
Para tanto, o estabelecimento e o cumprimento de metas torna-se indispensável uma vez que é preciso definir onde se está e aonde se pretende chegar, com o apoio de todos os envolvidos neste processo de conquistas. Portanto, o profissional precisa estar motivado para melhor desenvolver suas capacidades, superando e rompendo limites na sua produtividade.
Contudo, percebe-se a real importância da presença dos incentivos organizacionais, bem como as conseqüências negativas de sua ausência. Estes incentivos se dão através do melhor relacionamento interpessoal. Já que as pessoas trazem consigo valores individuais para dentro das organizações adaptando-se a novos valores impostos pelas mesmas. Tais diferenças interferem diretamente no comportamento e desempenho do profissional.
Um dos fatores motivacionais mais estudados na atualidade é a possibilidade de que o desempenho profissional pode estar condicionado ao relacionamento interpessoal dos líderes organizacionais.
O gestor que não consegue se motivar não tem a capacidade necessária para buscar isto em seus liderados, uma vez que a motivação é intrínseca (está dentro de cada um). Ou seja, cada um pode apenas incentivar, estimular ou influenciar outro (s) a se motivar (em).
Assim, revela-se que líder é aquele que consegue conduzir pessoas comuns a resultados incomuns transformando-as em diferencial competitivo da organização. Vale ressaltar que atuar com determinação é princípio básico para o alcance de metas e objetivos não importando os obstáculos e dificuldades a serem enfrentados pelo caminho.
Atualmente, um dos grandes desafios enfrentados pelos gestores tem sido incentivar e estimular sua equipe de colaboradores. Para tanto, diversos são os fatores que geram motivação, dos quais temos alguns dos analisados e discutidos pelos professores Chiavenato (2000, p. 394 apud MAURIZ, 2008) e o professor Araújo (1985, p. 287 apud MAURIZ, 2008), que em suma, os citam da seguinte forma:
Trabalho interessante, auto realização, reconhecimento, segurança, diálogo de desenvolvimento, desenvolvimento pessoal e treinamento, remuneração, promoção e crescimento na organização, condições de trabalho, colegas, benefícios, status, sugestões para melhoramento, estimular o estrategismo, estabelecer objetivos claros, empoderamento, relacionamento e comunicação, reconhecimento e apreço, moral, diálogo, idéias, respeito, novos desafios, reconhecimento.
Atualmente todas as empresas atuantes no Brasil, independente de seu tamanho ou localização, enfrentam alguma dificuldade gerencial como: absenteísmo, alta rotatividade, falta de profissionalismo e ética, falhas de planejamento (curto, médio e longo prazo), escassez de profissionais qualificados (apagão de talentos), desperdícios, problemas com motivação, resistência às mudanças, dentre outros. São dificuldades comuns às organizações tendo impacto relativo ou significativo às práticas adotadas por elas, partindo hierarquicamente da presidência organizacional.
Na base da pirâmide que se evidenciam ou explicitam as falhas organizacionais para clientes e fornecedores através daqueles que deveriam ser tratados como colaboradores e não funcionários ou empregados. São os colaboradores que detém conhecimento total das falhas bem como suas causas, conseqüências e possíveis soluções. A comunicação interna é um dos fatores que pode definir o impacto destas falhas gerenciais quanto ao bom funcionamento da organização (reduzir custos, desperdícios e falhas para aumentar lucro, satisfação dos stakeholders, participação no mercado).
Face ao exposto, através das diversas teorias científicas da área, que o reconhecimento, trabalho interessante, segurança, remuneração, relacionamento e comunicação, diálogo, desafios, dentre outros, além de possíveis incentivos organizacionais e fatores determinantes de motivação fazem com que haja satisfação completa na relação entre colaborador e organização, evitando medidas extremas como as ações judiciais trabalhistas na busca de sanar prováveis injustiças.
Abordou-se a importância da liderança e motivação, demonstrando-se o quanto as pessoas interferem diretamente nas metas e objetivos estabelecidos pela organização. Também são apresentados fatores determinantes de motivação, facilitando seu entendimento sobre existentes ações de incentivo organizacional, praticadas nas empresas da atualidade, que geram/resultam em motivação.
Dentre os principais resultados de pesquisa realizada destacam-se o aumento no nível de emprego, crescimento da força de trabalho no setor produtivo e no rendimento dos brasileiros, a maior parte da população fora do mercado de trabalho é de mulheres e faixa etária média entre 25 a 49 anos de idade, o trabalho não remunerado de contra própria está perdendo espaço nessa mudança de comportamento dos profissionais brasileiros através do registro em carteira profissional aumentando inclusive a quantidade de novos processos na justiça trabalhista, solucionados e conciliados no primeiro encontro judicial nas varas trabalhistas.
Ocorre uma mudança de comportamento do profissional a partir dos incentivos aplicados, sejam eles positivos ou negativos. Segundo a própria Física: "Para cada ação, ocorre uma reação". Cabe ao gestor estudar a melhor aplicabilidade dentro de sua organização e ao colaborador a aceitação ou não das ações como estímulo e incentivo.
No final, a única resposta para incentivar o colaborador acarretando em motivação, é questionar-se: qual a maneira mais eficiente e eficaz de atingir objetivos organizacionais assegurando a conquista de objetivos pessoais dos colaboradores participante neste processo?
Contudo, cabe ao colaborador estar ou não motivado através de suas próprias atitudes, comprometendo-se com os objetivos organizacionais. Entretanto, liderança e motivação revelam o caminho mais curto na busca do melhor comportamento profissional. O maior patrimônio e investimento de uma organização para o alcance de suas metas e objetivos é: seu capital humano.

Revista RBA

 Pesquisa Perfil 2015

william Resende de fariawilliam Resende de faria Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade do Meio Ambiente e de Tecnologia de Negócios (FAMATEC-DF), Bacharel em Administração de Empresas (CRA/DF nº. 023760) pela Faculdade Projeçao (FAPRO-DF), Graduando em Pedagogia pela Faculdade IESA, Técnico em música pelo Centro de Educação Profissional Escola de Música de Brasília (CEP/EMB). Atualmente sou Educador SALESIANO na Inspetoria São João Bosco-CESAM/DF atuando como Instrutor das disciplinas de Administração e Cidadania, conforme o desenvolvimento do Programa de Aprendizagem (Lei do Aprendiz 10.097/2000). Já atuei profissionalmente como músico, cobrador no Sistema de Transporte Público Alternativo, vendedor ambulante, estagiário no Classificados do Correio Braziliense e do Tribunal Superior do Trabalho. Após graduado em Administração, iniciei minha carreira profissional como Analista de Recrutamento e Seleção. Desenvolvi atividades de consultoria, palestras e treinamentos nas áreas de: vendas; motivação; gestão de pessoas; oratória; normas da ABNT para trabalhos acadêmicos; dentre outras áreas...
Existe fórmula para o suce$$o? 3 anos atrás