Você está aqui: Página Inicial / Ações do CFA / Artigos de Adm / Artigo dos usuários / Sem conscientização não haverá educação

CFA

Sem conscientização não haverá educação

Educação

Por Tania Aparecida dos Reis *

 

Ouve-se diariamente, onde quer que se fale sobre Educação, que tudo vai mal, que falta apoio do governo, que as famílias não colaboram que os jovens estão violentos dentro das escolas, e outros questionamentos e lamentações... Ficamos com a sensação do “impossível” acontecer: escolas mais seguras e eficientes para se trabalhar... Clientelas mais ansiosas de conhecimento e prática do mesmo... Famílias mais estruturadas para educarem seus filhos e... Mais valorização profissional e financeira por parte do governo a tudo o que se refere à Educação.

Concordamos com tudo isso e depois de muito pensar, ler e refletir chegamos à conclusão de que,  hoje, no nosso país as coisas só funcionam se, “forçosamente” partimos para a conscientização das classes sociais citando -se a afirmação de Marx: “ A Revolução se faz com as idéias e não com as armas...”   e mais perto, as palavras de um traficante que pode ter seus princípios adversos aos nossos, mas que sendo inteligente e um apaixonado pela literatura, ao dar uma entrevista à revista Veja, acho que em 2004 afirmou: “este país só terá saída através da Educação” e isto é verdade pois é na escola que se aprofundam as idéias de Democracia.

Assim, temos certeza de que um grande movimento precisa ser feito nos mais variados setores da Educação, para que se estabeleçam diretrizes que conduzam ao bem-estar, à satisfação das necessidades básicas do ser humano. Autoridades e profissionais necessitam atribuir à educação valor primordial se quiserem que aconteça uma mudança social de verdade.

Quando Ministro da Educação, o senhor Haddad assim se expressou:

“Acredito que a Educação vai virar um valor social quando mais gente – não importa a área de atuação, empresário, sindicalista, intelectual – perceber que é preciso melhorar a qualidade do ensino e que esse engajamento tem impacto, sobretudo na vida das famílias humildes. [...] Infelizmente, essa é a realidade do país, mas devemos continuar lutando para fazer com que a Educação assuma seu papel fundamental de orientar e suprir as necessidades básicas do ser humano.”

Voltamos a afirmar que só uma educação de qualidade será capaz de reverter (se é que é possível) a caótica situação de insegurança, de violência, de pobreza e de valorização das pessoas.

A educação tem seu desenvolvimento na tensão entre o indivíduo e a sociedade. E Carlos Brandão (1981, pg.61) traça as perspectivas da educação voltada para o indivíduo o qual considera “o meio pelo qual o ser humano desenvolve potencialidades psíquicas inatas, mas que não atingirão seu amadurecimento sem a aprendizagem realizada pela educação”.

A seguir, observa também o que acontece “da pessoa para fora, em direção à sociedade onde vive e de quem aprende.” (idem: 64). Assim, se educa para a inserção em determinada cultura, sendo este o papel fundamental de socialização da escola. As famílias e os estudantes buscam a educação como processo de crescimento pessoal, para o desenvolvimento de suas possibilidades para o melhor preparo no enfrentamento da vida, para a construção do caminho pessoal de cada um.

Diante destes argumentos resta-nos crer e lutar para a melhoria no atendimento das expectativas da sociedade oferecendo aos estudantes condições para que ao adquirir conhecimentos teóricos sejam capazes de lutar pela transformação de uma sociedade mais justa e mais humana baseados na educação de qualidade oferecida em nosso país.

 

* Administradora/Prof. e Coord. de Pós-Graduação

  E-mail:guryadosreis@gmail.com