Você está aqui: Página Inicial / Ações do CFA / Artigos de Adm / Artigo dos usuários / Sobre o artigo “A explosão da informação”, de Peter Drucker

CFA

Sobre o artigo “A explosão da informação”, de Peter Drucker

Comments
por Egberto Martins 26/01/2015 15h13

Por Francisco Egberto Martins Melo

  Em pleno século XXI, falar sobre tecnologia e seus efeitos no cotidiano das pessoas é até certo ponto redundante ou clichê. As organizações são dependentes de um conjunto de aparatos tecnológicos, os quais fazem uso vinte e quatro horas por dia, sendo essenciais para a vida e a saúde da empresa. Em particular, em empresas multinacionais, a tecnologia permite que o mundo esteja na palma da mão, dando ao gestor poderosas ferramentas de controle e gestão. Porém, falar em tecnologia na década de 1980, nos moldes dos anos 2010, seria uma profecia quase irreal. Peter Drucker o fez.

   Em artigo datado de 1980, Peter Drucker (1909-2005), considerado o pai da administração, fala abertamente sobre a Tecnologia da Informação (TI) ainda nos seus primórdios, prevendo situações que hoje são comuns, mas que naquela década seria algo inviável. O autor revela alguns “efeitos colaterais” com o advento da TI, como a diminuição das viagens de negócios, o controle sobre a informação, a diminuição da quantidade de papéis, as inovações dos processos produtivos (terceira revolução industrial) e a mudança de comportamento das pessoas na organização.

  O que impressiona nas palavras de Drucker é o quão exato ele foi ao descrever esses efeitos, de modo que hoje vivenciamos essa realidade que foi escrita há 30 anos atrás. Ele afirma que “dentro de poucos anos, esse equipamento se tornará padrão, como o telefone sobre a mesa ou a calculadora portátil – e o miniprocessador executivo poderá não ser maior que um aparelho telefônico de hoje”. De fato, os smartphones e laptops ganharam espaço devido a facilidade de locomoção e a gama de opções para a resolução de qualquer problema.

  Devemos apreciar cada vez mais o legado de Peter Drucker, buscando sempre as entrelinhas de suas obras. Os administradores devem tirar muitas lições de seus pensamentos, que em sua maioria são “fora da caixa”, e refletirem sobre sua atuação nas organizações.