Você está aqui: Página Inicial / Ações do CFA / Artigos de Adm / Artigo dos usuários / Um gigante construído por empreendedores.

CFA

Um gigante construído por empreendedores.

Comments
por Adm. Eduardo Almeida Teles ” 18/03/2014 13h51
O papel singular que o empreendedorismo norte-americano teve ao longo da sua história foi fundamental para a grande nação que desde o século passado se estabeleceu como líder econômico, tecnológico e lastreou o padrão de liberdade e qualidade de vida para a sua população.

Por Adm. Eduardo Almeida Teles

Algumas empresas conseguem verdadeiramente mudar o mundo. É uma afirmação forte, mas de fato, alguns homens de negócio através de seus empreendimentos interferiram na humanidade muito mais do que chefes de estado.

É fato que os Estados Unidos são a maior potência econômica, tecnológica e militar do mundo nos dias atuais. O interessante é que esta nação apesar de muito jovem, com pouco mais de 500 anos, mesmo estando longe do bloco de vanguarda da época, as grandes nações europeias, conseguiram expressivo destaque.

Seria muita presunção e reducionismo tentar explicar um fenômeno tão amplo como o desenvolvimento americano em poucos pontos isolados, mas de qualquer forma alguns deles além de determinantes, são particularmente importantes para serem discutidos e colocados a luz de críticas para profissionais de gestão e negócios.

A participação das lideranças políticas promoveu uma constituição federalista, que tinha na sua essência ideais liberais. Esse componente foi determinante para o estabelecimento de um ambiente propício ao empreendedorismo privado como em nenhum outro lugar no mundo.

Logo surgiram grandes empresas, gerando muita riqueza, com efeitos multiplicadores para diversos setores, proporcionando emprego e renda para diversas camadas sociais. A base para tamanho crescimento estava na capacidade em agregar valor para um grande volume de pessoas. Talvez o caso mais emblemático apresentado nesta época tenha sido o da fábrica de automóveis de Henry Ford. A sua proposta era inovadora, oferecendo um veículo seguro, e com valores 40% abaixo dos praticados pela concorrência, conseguiu posicionar seu produto num patamar acessível a uma grande massa de consumidores que antes poderiam ter acesso apenas a carroças como meio de transporte.

A maior inovação de Ford veio com o processo produtivo padronizado de sua linha de produção em série, reduzindo o tempo em 8x, sustentando a qualidade e alcançando maior lucratividade, num típico caso de excelência de gestão em todos os processos da cadeia produtiva.

Grandes empreendedores atuaram em várias frentes, principalmente em áreas ligadas a infraestrutura, como na logística, através das ferrovias de Vanderbilt que transportavam pessoas e produtos por todo o país, com o petróleo de Rockefeller que surgia como a maior fonte de energia, e o aço de Carnegie que impulsionou principalmente a indústria e a construção civil.

Muitas lições podem ser tiradas dos grandes empreendedores americanos, como a importância de uma visão de futuro inabalável e do planejamento voltado para ganhos de escala, sempre buscando a inovação. Também é fundamental salientar que todos eles tinham um grande ímpeto para o sucesso, foram líderes em suas respectivas áreas, com resiliência, força de vontade e persistência frente aos inúmeros desafios que se apresentaram.

Apesar de tantas maravilhas, a era de ouro do capitalismo americano não foi feito só de glórias e altruísmo dos seus maiores expoentes. Muitas tragédias aconteceram para que os lucros das empresas fossem elevados. As condições de trabalho eram péssimas nas indústrias, onde havia grande insegurança. Os salários dos empregados eram muito baixos, deixando-os pouco acima da pobreza extrema, o que elevou muito a desigualdade social.

Como qualquer sistema, o capitalismo precisou se reinventar, e o Estado teve papel fundamental nesse sentido, participando de forma mais ativa, regulando vários setores, implantando medidas antitrustes e dando espaço aos sindicatos dos trabalhadores. Apesar das mudanças, o espírito de liberdade econômica esteve sempre presente na cultura americana, e foi fundamental para que o processo de desenvolvimento continuasse.

Adam Smith, ainda no século XVIII, já dizia que o homem antes de tudo busca seus próprios interesses, e sendo assim, aumentam as chances de sucesso nos seus projetos, promovendo o bem comum para a sociedade, com os benefícios das suas inovações. O famoso “sonho americano” veio justamente disso, da possibilidade de indivíduos vindos praticamente do nada poderem crescer tanto naquele país.

Assim como na vida pessoal, também numa nação o seu passado determina o momento presente. No caso americano, suas raízes ideológicas explicam as escolhas, que de forma cumulativa forjaram sua cultura e construíram as riquezas, servindo de base para as novas gerações que estarão no futuro.

Acredito que o desenvolvimento econômico de um país vem predominantemente das empresas privadas, dos seus impostos, da geração de emprego e renda dos trabalhadores, e principalmente da inovação dos produtos e serviços para o atendimento das necessidades dos consumidores, promovendo melhorias no padrão de qualidade de vida da população.

Sempre vale a pena conhecer histórias de sucesso, e os casos mais bem sucedidos do empreendedorismo norte-americano do fim do século XIX e início do século XX, podem servir de grande estímulo aos brasileiros, com destaque para os empreendedores. Que eles tenham impulso para buscar os seus sonhos, com preparação e planejamento de suas carreiras e dos seus negócios, construindo um país mais próspero e melhor para toda a sociedade.