Você está aqui: Página Inicial / Edições / 103 / O mercado digital [ Matéria ]

O mercado digital [ Matéria ]

por Administrador do portal 12/12/2014 15h52

 

O acesso cada vez mais popularizado da internet possibilitou aos consumidores maior grau de exigência na hora de contratar um serviço ou fazer uma compra. Por conta da conexão com o mundo virtual disponível por 24 horas diárias, seja em um computador, tablete ou celular, as pessoas podem, antes de fechar um negócio, pesquisar a variedade de preços, marcas e vantagens oferecidas por diversas empresas em poucos minutos e sem sair do lugar.

O desafio maior é como se inserir nesta realidade de tanta competitividade de forma efetiva e ainda se destacar.

A busca por possíveis críticas, positivas ou negativas, ao produto em fóruns ou páginas de denúncia online é outro recurso cada vez mais utilizado. O desafio maior é como se inserir nesta realidade de tanta competitividade de forma efetiva e ainda se destacar. O setor de serviços é um dos que mais vêm sofrendo com essa realidade e necessita de mudanças drásticas para não ficar no prejuízo. Investir apenas em uma boa estrutura física, um bom estoque e bons profissionais deixou de ser o suficiente há tempos. O responsável pelo Search Engine Optimization (SEO) da Infoglobo, editora dos jornais Extra e O Globo, Klaus Junginger, diz que dois ingredientes são fundamentais para garantir uma boa inserção no mercado virtual: planejamento e paciência.

Ele explica que antes de mais nada, o empreendedor precisa conhecer os hábitos e os ciclos em que a demanda é mais alta e perguntar a si mesmo se está pronto para um repentino aumento na demanda, na mão de obra necessária e quanto fôlego a empresa tem para não faturar nos primeiros meses. Muitos gestores, movidos por um certo “espírito aventureiro”, erram ao pensar que para estar inserido no meio digital, basta apenas criar um website com informações sobre a empresa e os serviços oferecidos, uma página no Facebook ou em qualquer outra rede social. Por diversas vezes esses serviços são executados por pessoas sem qualificação adequada, sem planejamento estratégico e sem qualquer monitoramento de resultados. Para Jungiger, quem deve se esforçar em produzir um site é o webdesigner.

“O faça-você-mesmo é muito atraente e sedutor, mas, a cada avanço, a complexidade aumenta exponencialmente e, se não houver preparo, haverá frustração e descrédito na internet”, alerta. Ao investir em uma estrutura online profissionalizada, o empresário estará cada vez mais próximo de alcançar seus objetivos ou, pelo menos, de saber qual caminho trilhar para chegar mais próximo daquilo que almeja. O SEO é uma área de atuação no mundo digital que oferece ferramentas e meios para ajudar a melhorar o posicionamento das páginas de um website nos mecanismos de buscas disponibilizados na internet. Ao aprender a utilizar melhor as palavras que devem ser utilizadas no título ou no próprio corpo do texto, os links dessas páginas têm mais chances de aparecer entre os primeiros em uma busca orgânica, sem a necessidade de patrocínio. “As pessoas vão cada vez mais realizar buscas na web à procura de produtos e de serviços. Não vejo fim nem queda desse comportamento e o SEO é parte essencial nesse processo”, argumenta Junginger.

 

Não há como criar um canal de comunicação com o cliente e deixá-lo sem um retorno. Além do desrespeito, fica evidenciada a falta de preparo e profissionalismo da empresa” Leandro Escobar



Leia a matéria na íntegra. Assine a Revista Brasileira de Administração ou acesse a edição digital.

Ed.103 Nov/Dez

Edições Anteriores