Você está aqui: Página Inicial / Edições / 109 / Liderar = Compartilhar [Capa]

Liderar = Compartilhar [Capa]

por Administrador do portal 22/12/2015 15h31

Liderar = Compartilhar
“Muito se fala sobre liderança. Mas, afinal, existe alguma “receita” para ser líder?”

Nos dias de hoje, pensar em liderança como sinônimo de autoritarismo é estar fadado ao fracasso. Isso porque uma das grandes tendências quando se fala em liderar equipes é justamente o contrário: ouvir o que todos os funcionários têm a dizer e, sobretudo, analisar e aplicar as propostas mais coerentes que são sugeridas. Para alguns pesquisadores, estes são pontos fundamentais para os líderes modernos. Para outros, a liderança está mais ligada à situação que se enfrenta no momento e, portanto, pode ser adaptada. Já alguns acreditam que liderar é sinônimo de influenciar, mas sempre calcado no diálogo. Afinal, existe alguma “receita” para ser líder? Talvez, o mais coerente a pensar é que há, sim, vários estilos de liderança, várias maneiras de liderar – ou de ser liderado –, mas que tudo pode ser adaptado. Aquele estilo de liderança mais horizontal, em que não se foca na hierarquia – e não é somente ela que tem valor – foi batizada, não faz muito tempo, de “liderança estratégica”.

“O ser humano nasce para se completar. Quando você entra numa empresa, o mais natural é que você seja achatado pelo poder de alguém. Mas quando há compartilhamento de ideias não é assim”

E por que “estratégica”? Porque nesse modelo, para que a liderança dê certo, adota-se o “pensar sistematicamente” em todos os personagens de uma organização: desde aqueles que ocupam os cargos mais humildes, como faxineiros ou copeiros, até os mais poderosos, como os diretores, CEOs, entre outros. Como explica o professor da área de Gestão da FAE Business School, Dante Quadros, a liderança estratégica foca em um modelo de rede em que as decisões são tomadas horizontalmente por todos os integrantes da equipe. Já no caso da liderança no modelo de pirâmide, ou seja, um modelo vertical, o chefe – que pode ser líder ou não, pois nem todo líder é chefe e vice-versa – é quem manda. “Estamos vivendo hoje uma grande mudança no modelo de gestão. No passado, a liderança era fundamentada na hierarquia. Hoje, cada vez mais, as empresas estão adotando o modelo horizontal, que tem trabalho compartilhado, sem os níveis hierárquicos”, explica.

O professor vê vantagens nesse modelo. “O ser humano nasce para se completar. Quando você entra numa empresa, o mais natural é que você seja achatado pelo poder de alguém. Mas quando há compartilhamento de ideias não é assim”, observa. O professor Quadros lembra que, quando se fala em “conversar”, pensa-se imediatamente em “convergir”. Ou seja, convergir todos para um mesmo ponto. Já ao adotar o “dialogar”, presume-se um entendimento mútuo entre todos da equipe. E é essa a ideia da liderança estratégica. Esse modelo, que em um primeiro momento seria o estilo de liderança “sem chefe”, tem sido adotado por muitas empresas nos últimos anos. “As pessoas não precisam de um chefe a partir do momento em que conseguem compartilhar”, comenta.