Você está aqui: Página Inicial / Edições / Edicao98 / Foco no Resultado - Entrevista

Foco no Resultado - Entrevista

por Administrador do portal 07/03/2014 15h35

 

“A carreira do Administrador é sempre desafiadora e altamente provocante para quem se dispõe a pensar nas pessoas e transformar as empresas”

 

Presidente da vale prega gestão austera em nome do melhor desempenho e da eficiência, Murilo Pinto de Oliveira Ferreira foi nomeado diretor-presidente da Vale em maio de 2011. Ingressou na Diretoria Executiva da empresa em 2005, à frente da área de Participações e Novos Negócios. Na ocasião, foi o Diretor-Executivo responsável pelos setores de alumínio, carvão, participações em siderurgia, energia, novos negócios, fusões e aquisições. Em 2006, passou a ocupar o cargo de diretor-executivo de Níquel e Comercialização de Metais Básicos e, em 2007, presidiu a então Vale Inco, atual Vale Canadá, posto em que permaneceu até o final de 2008.

REVISTA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO (RBA): O senhor passou pela Alumínio Brasileiro S.A. (Abras) e agora está à frente da Vale. Como tem sido sua administração na empresa desde que assumiu o cargo de presidente? Quais os maiores desafios já enfrentados e como é ser o responsável por detectar negócios no mundo inteiro para uma das maiores mineradoras do mundo?

MURILO PINTO DE OLIVEIRA FERREIRA (MPOF): Comecei na Vale no dia 23 de maio de 2011. No dia 27, tive uma conversa com os analistas, investidores e imprensa. Eu disse, naquela ocasião, que estávamos muito focados em trazer o melhor retorno para o acionista, portanto, nós não deveríamos ter tantos projetos. Lembro que tínhamos 156 projetos e decidimos ter um portfólio menor, com objetivo de focar em ativos de classe mundial, baixo custo, com possibilidade de expansão e com qualidade diferenciada. O grande desafio foi justamente essa mudança de filosofia da empresa.

RBA: Algumas reportagens o chamam de “austero” quando o assunto é o controle de custos da empresa. Como o senhor vê esse adjetivo e como avalia hoje a questão da ética nas grandes empresas? Temos o exemplo recente da Siemens.

(MPOF): Estamos muito focados em ser uma empresa mais eficiente e para isso precisamos trabalhar com muita austeridade. Esse objetivo é perseguido diariamente para ser uma Vale mais ajustada e competitiva. Além disso, a indústria de mineração é muito intensiva de capital e precisamos sempre ter um nível de trabalho e de disciplina muito forte na alocação de capital. Esses princípios estão muito bem definidos dentro da empresa em termos de austeridade e simplicidade. Quanto à ética, a Vale segue um código de conduta que conduz suas atividades empresariais orientadas por um conjunto de valores que refletem elevados padrões éticos e morais, buscando assegurar credibilidade e preservar a nossa imagem, no curto e no longo prazos, junto aos mercados em que atuamos regularmente. Os padrões éticos, que se expressam em ações justas e responsáveis dos  pontos de vista social e ambiental, formam a base dos negócios e a receptividade da nossa empresa no mercado.

 

Leia a matéria na íntegra. Assine a Revista Brasileira de Administração ou acesse a edição digital.

Ed.98 Janeiro/Fevereiro

Edições Anteriores