Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Alimentação

CFA

Alimentação

Comments
por imprensa 15/04/2014 09h35
Profissional brasileiro gasta mais de R$ 30 por dia com almoço, aponta estudo

Comer fora de casa não é algo barato, e isso não é novidade para ninguém. Mas, somando refeição, bebida, sobremesa e o famoso cafezinho, o trabalhador brasileiro gasta no almoço, em média, R$ 30,14 – resultado que chega a impressionantes R$ 663,08 mensais, se considerarmos 5 dias de trabalho por semana.

 

A Pesquisa Refeição Assert Preço Médio 2014, da Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador (Assert), realizou 4.681 entrevistas em restaurantes que trabalham com vales/ tíquetes refeição, nos sistemas Comercial, Autosserviço, Executivo e A La Carte.

 

“O montante que um trabalhador gasta por mês para se alimentar durante o trabalho é significativo, comprovando que o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) do Ministério do Trabalho e Emprego continua sendo um importante instrumento de inclusão social”, alerta Artur Almeida, presidente da Assert.

 

O PAT é um programa do governo que promove incentivos fiscais às empresas que assumem a responsabilidade de prover melhores condições nutricionais à seus funcionários – seja com vale-refeição ou vale-alimentação, almoço na própria organização ou cestas básicas. O objetivo do programa é repercutir positivamente na qualidade de vida, redução de acidentes de trabalho e aumento da produtividade.

 

Tendência de alimentação saudável

 

Ainda de acordo com a pesquisa da Assert, está crescendo a procura por alimentos mais saudáveis. Segundo o levantamento, o aumento percebido pelos estabelecimentos no consumo de frutas foi de 61% e de 69%, no caso de verduras e legumes.  A preferência por sucos naturais também cresceu impressionantes 70% – em restaurantes executivos, esse crescimento foi de 80%.

 

Surpreendentemente, o arroz e feijão, tradicionalíssimo prato brasileiro, não é tão relacionado a uma refeição considerada saudável. Menos de um quinto dos estabelecimentos entrevistados associa a dupla a uma alimentação saudável. Entre os locais que servem o chamado prato comercial, esse reconhecimento é maior: 40% da amostra desse segmento. Independentemente disso, a oferta da mais brasileira das combinações gastronômicas é oferecida por 89% dos estabelecimentos.

 

“Embora não ofereça a variedade de um buffet de autosserviço, onde o trabalhador encontra inúmeras opções de saladas, legumes e grelhados, o empratado comercial tem uma excelente relação custo-benefício com boa perspectiva no equilíbrio nutricional e no preço”, ressalta Almeida.

 

Fonte: Portal Carreira & Sucesso