Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / As pessoas, a gestão e o futuro

CFA

As pessoas, a gestão e o futuro

Comments
por imprensa 23/10/2015 17h27
Os principais executivos de RH do país se reuniram na nona edição do RH Meeting para projetar o trabalho (e a vida) lá na frente

Ninguém melhor para pensar o futuro do trabalho do que os principais executivos de recursos humanos do Brasil. Foi com esse propósito que a revista VOCÊ RH­ realizou a nona edição do VOCÊ RH Meeting, o principal evento na área de gestão de pessoas do país.

Entre 6 e 8 de maio, em Campos do Jordão, cerca de 40 profissionais de grandes empresas puderam refletir sobre os desafios socioeconômicos para os próximos anos, as mudanças na relação entre empresas e empregados e o papel da área de RH para o amanhã.

Coube ao economista Ricardo Sennes, sócio da Prospectiva, explicar os fatores que mais afetam a produtividade do trabalhador e o que os empresários podem fazer para melhorar os indicadores. Segundo ele, apesar da evolução da classe C nos últimos anos, impulsionada pelo incremento de renda do trabalhador, a qualidade dos serviços básicos, sobretudo daqueles oferecidos pelo Estado, ainda é baixa — e isso prejudica a produção.

“A sociedade está demandando mais do que o governo consegue prover, especialmente nas áreas de moradia, saúde e educação”, disse, avaliando que essa pode ser uma das causas para explicar as manifestações ocorridas nas ruas nos últimos anos.

Otimista, Sennes acredita em um crescimento médio de 2% ao ano da economia brasileira. Contudo, o déficit de profissionais qualificados continuará sendo um entrave para o desenvolvimento dos negócios. Para ele, o governo brasileiro deveria ter uma política de curto prazo favorável à imigração de pessoas especializadas — “isso seria uma estratégia de competitividade”. Já na agenda dos executivos deveriam estar mais iniciativas ligadas à educação — “por uma questão de sobrevivência”.

Com uma visão mais pessimista, James Wright, professor de previsão e estratégia na Universidade de São Paulo (USP), estima que em 2050 outras nações emergentes poderão ser mais prósperas do que o Brasil, principalmente se o país mantiver a produtividade na casa do 1% — “igual à de países que já se estabilizaram”, disse o também coordenador do Programa de Estudos do Futuro (Profuturo), da USP, em sua palestra sobre o cenário do futuro e seu impacto nas relações de trabalho.

“Para o profissional, o desafio nos próximos anos será gerar a mesma renda que recebe hoje, porém produzindo o dobro.” Já para as companhias, a missão será desenvolver pessoas que contribuam com sua inovação, como aquelas formadas nas disciplinas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Na manhã do segundo dia de evento, os participantes do VOCÊ RH Meeting construíram juntos situações que devem impactar a gestão de pessoas no futuro. O exercício foi feito durante um workshop conduzido por Anderson Pena e André Coutinho, sócios da consultoria de gestão Symnetics.

Considerando o envelhecimento populacional mundial, os executivos imaginaram, por exemplo, como seria a vida de um profissional começando sua terceira carreira aos 60 anos de idade. E, com uma mão de obra espalhada geograficamente e empregada com novos modelos de contrato de trabalho, idealizaram também como seriam as relações da empresa com o sindicato ou qual seria o melhor modelo para avaliação de desempenho.

À tarde, os executivos de recursos humanos ouviram três histórias de coragem, contadas por presidentes que mudaram a gestão de sua empresa pensando no futuro — e tiveram depois a oportunidade de sabatiná-los.

Jorge Hoelzel, principal executivo da Mercur, que fabrica de borrachas escolares a bolsas de água quente, contou como a família, ainda à frente do negócio, decidiu transformar a companhia pensando no impacto negativo que sua forma de atuar causava à sociedade. Tudo começou quando os familiares ouviram a seguinte provocação: se a empresa desaparecesse hoje, quem sentiria sua falta?

Com base nisso, disse Hoelzel, a Mercur passou a atuar “em razão das pessoas, e não mais das coisas”. Hoje, a fabricante da famosa borracha bicolor com o deus Mercúrio estampado não tem mais meta de crescimento nem de receita; destituiu os líderes de seus cargos e caminha para igualar o salário de todos os empregados.

Já o presidente executivo da holding Azul Linhas Aéreas, José Mario Caprioli, revelou como idealizou e lançou a Trip Linhas Aéreas, em 1998, quando tinha apenas 25 anos de idade, e como foi o processo de desligamento de sua criação após a fusão com a Azul, em maio de 2012. Hoje, a empresa nascida da fusão das duas companhias possui 150 aviões e detém 17% dos assentos comercializados e 24% do dinheiro que circula no setor de aviação. “O mais importante para um líder é ter coragem”, disse Caprioli.

Márcio Fernandes, presidente da Elektro, conquistou adeptos e inimigos a sua filosofia de gestão ao falar das vantagens de tratar os empregados realmente como pessoas — mesmo que isso signifique dar um feedback mais duro sobre carreira ou produtividade. “Se você sempre trabalhou para ter, por que não trabalhar para ser?” Com seu jeito eloquente de apresentador de TV, Fernandes defende: “As pessoas estão à frente dos negócios, e não os negócios estão à frente das pessoas”.

Na última programação da quinta-feira, os executivos participaram de uma atividade inspirada no programa de TV Master Chef: divididos em equipes, tiveram 1 hora para cozinhar um suflê de chocolate com calda de frutas vermelhas. A competição foi acirrada e animou a última noite do evento.

A jornalista e escritora Eliane Brum foi a responsável por encerrar o VOCÊ RH Meeting 2015. Com um texto sensível e emocionante, ela lembrou todos os gestores que as pessoas são, na verdade, remontagens de seus estilhaços. “Elas foram quebradas no decorrer da vida, após derrotas sofridas e amigos e familiares perdidos.” No fim, cabe ao RH gerir esses pedaços humanos que se esforçam para ser a melhor versão de si.

 

Fonte: Você RH