Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Carreira

CFA

Carreira

Comments
por imprensa 11/02/2014 10h32
Os sinais de que você está se “sacrificando” pelo trabalho

 

70% dos casos de stress no Brasil estão relacionados com o trabalho; exaustivas jornadas não são a única razão para isso. Entenda e aprenda como reagir nestes casos

 

Estima-se que 70% da população economicamente ativa do Brasil já tenha sofrido de stress, segundo pesquisa feita no ano passado pelo ISMA Brasil. E o trabalho teria sido o principal vilão para este quadro.

 

De acordo com o levantamento, 69% dos casos foram fruto de situações profissionais.

 

Associadas a outros fatores, as jornadas exaustivas teriam feito ao menos três vítimas no ano passado. No mais recente, uma jovem redatora da Indonésia não resistiu à combinação de consumo de uma bebida energética com três dias seguidos de trabalho e faleceu.

 

No entanto, a pesada carga de trabalho não é o único aspecto que conspira contra o equilíbrio mental. Estar acomodado em um trabalho que não desafia e não faz crescer também gera stress, segundo Flora Victoria, da Sociedade Brasileira de Coaching.

 

“Ou pode-se quebrar por superaquecimento ou murchar e desaparecer por subutilização”, explica a consultora. “Os dois excessos são ruins”.

 

A razão para isso é simples: “Por menor esforço que ele demande, quando o trabalho não é prazeroso já gera uma sensação psíquica de sobrecarga”, diz Paulo Moretti, gerente médico do Semeando Saúde, do Grupo Santa Celina.

 

Sintomas

Alterações bruscas no comportamento ou na saúde física e mental do indivíduo podem ser sinais de que seus limites estão sendo ultrapassados – de uma maneira nociva.

 

De acordo com a estudo da ISMA Brasil, 78% dos homens e 83% das mulheres que participaram da pesquisa afirmaram ter dores musculares ou de cabeça. Além disso, 39% deles e 37% delas sofriam de distúrbios do sono.

 

Segundo Ana Maria Rossi, que conduziu o levantamento e preside a associação no país, a ansiedade foi o sintoma mais prevalente entre as pessoas entrevistadas.

 

“Via de regra, elas trabalham em um ritmo frenético ou por muitas horas sem pausas. A razão para isso é porque elas não têm muita confiança em seu trabalho ou competência”, explica a psicóloga.

 

Taquicardia, ganho ou perda de peso, problemas gastrointestinais também seriam outros indícios. “Ele começa a beber ou comer mais, dormir menos, fica sedentário”, enumera André Caldeira, da consultoria Propósito. “Ou passa a querer se isolar, tem dificuldade de se relacionar com os outros”.

 

Na síndrome de burn out, a fase mais extrema do stress, além da exaustão física e mental, a pessoa pode apresentar um quadro de “alienação do mundo”.

 

“Ela se torna cética, agressiva ou passiva”, diz Ana Maria. Além disso, a produtividade e a eficácia da pessoa tende a cair. “Sabendo que não está rendendo, ela se puxa para trabalhar mais”, afirma.

 

Como se esforçar sem se prejudicar

Agora, em uma era em que a pressão por resultados cada vez mais agressivos e níveis elevados de excelência, como ser um ótimo profissional sem se quebrar fisicamente e emocionalmente?

 

A resposta pode estar em um princípio de Aristóteles, segundo Flora. “Você será feliz quando conseguir usar as suas forças na quantidade correta e estiver funcionando em seu nível ótimo”, diz a especialista. Ou seja: trabalhando nem mais, nem menos do que, realmente, pode.

 

Na prática, isso significa que é preciso ter uma noção clara de si – de quais são suas fronteiras, do quanto é possível ultrapassá-las, de quando é preciso parar e, quando for o caso, do quanto você precisa se esforçar para chegar até lá.

 

“A empresa não é algoz e não é vítima. São escolhas e corresponsabilidades”, afirma Caldeira. Em outras palavras, cada profissional também é responsável pelo próprio equilíbrio. E isso demanda assumir o volante da própria vida e não ceder às pressões.

 

Manter um estilo de vida saudável (com a prática regular de exercícios físicos, boas noites de sono e uma alimentação equilibrada), ter com quem desabafar e investir em técnicas de relaxamento não são garantias de imunidade ao stress.

 

Mas tais medidas provavelmente irão ajudá-lo a "lidar com o stress e ter uma recuperação mais eficiente", afirma Ana Maria.

 

Lembre-se: “É importante cultivar o devido valor para todas as esferas do viver. Quando isso não está balanceado, sinal de que você está se sacrificando, dando mais para a carreira do que deveria”, afirma Artur Zular, do Instituto de Qualidade de Vida.

 

As causas de desequilíbrio emocional passam, algumas vezes, por conceitos errados sobre carreira.

 

Fonte: Exame