Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Chefiar não significa liderar

CFA

Chefiar não significa liderar

Comments
por imprensa 03/06/2014 17h40
As qualidades e o posicionamento do gestor interferem, diretamente, no desempenho da sua equipe de trabalho

 

Quem ocupa um cargo de chefia é o responsável direto pelos resultados da equipe. Por isso o gestor precisa saber extrair a melhor produção dos funcionários. Existem duas maneiras e visualizar essa posição. Uma delas é como chefe, carrancudo e dominador. A outra é como líder, guiando e motivando os profissionais que fazem parte da sua equipe. Chefiar e liderar são ações completamente diferentes. 

Geralmente temido pelos empregados, o chefe comanda cobrando resultado a qualquer preço, sem se importar com o bem estar do funcionário. Centralizador de poder, esse tipo de gestor procura achar um culpado quando algo não vai bem e não compartilha o sucesso. A equipe, nesse caso, enxerga o trabalho como castigo e, geralmente, detesta o chefe. “O profissional, guiado pelo medo do chefe, é menos eficaz e criativo. Isso prejudica a qualidade do serviço e, consequentemente, a vida da organização”, afirma o presidente do CFA, Sebastião Luiz de Mello. download.jpg

O líder tem uma postura mais aguerrida, positiva e corajosa. Essa classe de gestor se preocupa com toda a equipe, pois sabe que para o mecanismo funcionar bem as pessoas precisam estar focadas e estimuladas para o trabalho. Um líder é acessível e, na
maioria dos casos, é admirado pelos funcionários. “Estamos no século XXI e precisamos entender que o funcionário é o coração da empresa, por isso as equipes precisam de líderes que sirvam de inspiração e admiração. Esse, sem dúvida, é o maior diferencial da Administração”, ressalta o presidente Sebastião de Mello. 

A maior parte das pessoas inseridas no mercado de trabalho está submetida a algum tipo de chefia. No Brasil o profissional passa, em média, 40 horas por semana em seu local de trabalho. Nesse contexto, é primordial que as pessoas sintam-se estimuladas em seus serviços. Com uma boa gestão, trabalhar não se torna um fardo, ao contrário, passa a ser fonte de satisfação pessoal que se reflete em resultados positivos para o empregado e para a empresa.

 

Wellington Penalva

Assessoria de Comunicação CFA