Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Educação

CFA

Educação

Comments
por imprensa 13/11/2014 17h48
Cai número de formandos no ensino superior. Queda afeta cursos como Administração

 

A queda do número de formandos no ensino superior entre 2012 e o ano passado atingiu os cursos com maior volume de estudantes no país: direito e administração. Juntas, as graduações respondem por 23% das matrículas em cursos presenciais. 

A redução de bacharéis em direito (3%) foi menor do que a média de todos os cursos (5,65%), mas a primeira queda verificada na última década. Em 2012, 97,9 mil estudantes concluíram a graduação. No ano passado, 95 mil. 

Em administração, o percentual chegou a 11,86%. O movimento de baixa nesse curso já vinha ocorrendo em anos recentes, mas em menor intensidade. 

Entre 2011 e 2012, por exemplo, a queda foi de 0,88% – 993 diplomas a menos, em números absolutos. No ano passado, essa diferença foi de 13.199 formandos. 

Para Samuel Melo Júnior, doutor em administração, um dos motivos principais é a migração da demanda dos alunos para cursos tecnológicos sobre gestão, de menor duração (média de dois anos) e maior foco. 

"Esse profissional atende a uma demanda específica e tem rápida inserção no mercado. São cursos de graduação que o Conselho Federal de Administração já recebe entre os associados", afirma Júnior, também diretor da câmara de formação profissional da entidade. 

Há quatro anos, por exemplo, o curso de gestão de recursos humanos havia formado 16,7 mil profissionais. No ano passado, o número aumentou para 26,3 mil. 

"Não vemos isso como algo ruim, mas há diferenças entre os formandos. A questão [para explicar a redução] não é de empregabilidade, há muito espaço para o administrador", avalia. 

Para o Ministério da Educação, a queda do número de formandos de uma forma geral foi motivada por medidas de supervisão e fiscalização do governo federal, que resultaram em fechamento de vagas ou congelamento de vestibular em cursos considerados de má qualidade.

 Arte FSP.jpg

MEDICINA 

Os cursos de medicina tiveram aumento no número de formandos, mas em um ritmo modesto. No ano passado, a quantidade de novos médicos que entravam no mercado foi de 16.495 – apenas 141 a mais do que em 2012. No período anterior, o incremento foi da ordem de 1.700. Também houve redução do ritmo de crescimento das matrículas na graduação. 

"Esse número era muito alto. O que sempre falamos é que a quantidade de médicos não vai resolver o problema", afirma Mauro Ribeiro, vice-presidente do Conselho Federal de Medicina. 

Na visão da entidade, o problema da distribuição de profissionais pelas regiões do país pode ser resolvido com a criação de uma carreira de Estado para a categoria. 

Fonte: Folha de São Paulo / Por Flávia Foreque, de Brasília