Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Estou desempregado, e agora?

CFA

Estou desempregado, e agora?

Comments
por imprensa 01/09/2014 11h31
O período fora de um emprego pode ser muito bom para desenvolver outros talentos e dedicar tempo para pessoas que precisam

Ficar sem trabalho é uma situação chata e incômoda na grande maioria dos casos, porém, o lado bom é que você terá tempo para repensar sua carreira, atitudes e rever sua empregabilidade.

A partir do momento em que a pessoa está sem trabalho, ela precisa investir em si mesma para que não fique desatualizada do que acontece no mercado. “Essa é a hora para investir em educação. Use a internet como uma aliada e deixe seu currículo cada vez mais recheado. Existem milhares de cursos online, tutoriais, e-books, etc.”, comenta Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers.

Porém, não é só isso. O período fora de um emprego pode ser muito bom para desenvolver outros talentos e dedicar tempo para pessoas que precisam. “É importantíssimo manter-se ativo, seja por meio de cursos variados ou outras ações, como, por exemplo, fazer trabalho voluntário”, comenta a especialista.

O trabalho voluntário é um exemplo de atividade que ocupa o tempo, oferece uma sensação boa para aquele que o realiza – e para quem recebe, sejam crianças, idosos, pessoas com alguma limitação ou até animais – e faz com que a pessoa possa descobrir mais uma área de atuação que realmente goste. “Quando se está empregado nem sempre as pessoas encontram um tempo para fazer o trabalho voluntário, mas, ao serem demitidos, existe muito tempo livre. O trabalho voluntário faz com que a pessoa sinta-se valorizada e - muitas vezes, mesmo quando retorna ao mercado, ela não deixa o voluntariado de lado, pois descobre as vantagens que ele traz para a vida de todos”, exalta Madalena.

Outra atividade que pode ajudar nesse período é visitar eventos, feiras e congressos voltados à carreira. “Além de manter-se atualizado sobre o mercado, cada presença em um evento desses é mais uma oportunidade para conhecer pessoas com interesses semelhantes de forma menos formal – quem sabe seu novo chefe ou colega de trabalho não esteja ali também?”, aponta a coach.

“Se não está na internet, não existe”. Já ouviu falar disso? Então, isso vale para qualquer pessoa. É preciso estar nas redes sociais e saber usá-la a seu favor. “Deixe seus perfis online sempre atualizados e atrativos, tenha um bom networking digital, saiba o que acontece no mundo. Converse com ex colegas de classe ou trabalho, amigos, professores, etc., e faça com que eles saibam que você está à procura de um emprego – de forma sutil. Uma indicação é sempre algo positivo na hora da conquista de um novo emprego”, sugere Madalena.

Porém, enquanto a vaga de emprego “oficial” não aparece, o ideal é não temer o freelancing – e fazer tudo o que é oferecido e esteja dentro das suas possibilidades. “O freelancing é uma ótima maneira de continuar exercendo a profissão com retorno financeiro. Essa é uma fonte de renda que pode ajudar nos períodos de desemprego e, além disso, oferece novas oportunidades de conhecer pessoas da área – ou seja, novas oportunidades de emprego. Para isso, tenha sempre seu cartão de visitas consigo”, conclui Madalena.

 

Fonte: Administradores.com.br