Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Falta de planejamento

CFA

Falta de planejamento

Comments
por imprensa 04/11/2015 15h46
Deficiência estaria reduzindo ações para desenvolvimento das cidade.Problemas afetam as 16 prefeituras do Amapá, avalia Conselho Federal.

A falta de planejamento é apontada como a principal falha na gestão dos municípios amapaenses, informou o Conselho Federal de Administração (CFA). A análise foi feita  durante o I Fórum de Gestão Pública, promovido no dia 22 de outubro em Macapá. 

O representante do conselho federal, Kleber Cavalcante, explica que a situação acontece em todo o Brasil, e no Amapá, a deficiência reduz a realização de projetos para o desenvolvimento das cidades em diversos setores. 

"A crise em planejamentos afeta diretamente a gestão dos municípios amapaenses porque não se pensa no futuro das cidades. Infelizmente, os gestores desconhecem o que querem os cidadãos e quais potencialidades devem ser exploradas para o desenvolvimento. As prefeituras não fazem planos para isso", ressaltou. 

A falta de profissionais capacitados para atuar na gestão pública dos municípios amapaenses também contribui para que o problema se agrave. 

"Atualmente muitos problemas de gestão ocorrem porque não há servidores que tenham o real conhecimento para buscar a solução. É preciso que o prefeito esteja cercado de profissionais capacitados para gerir os órgãos municipais, sempre voltado para atender os anseios da sociedade", comentou. 

O vereador André Lima (PSOL), coordenador do projeto Administrador Municipal, explica que o fórum busca capacitar os gestores sobre estratégias locais de administração. Os prefeitos dos 16 municípios amapaenses trocaram experiências sobre administração pública com a finalidade de melhorar a gestão municipal. 

"Há muito tempo não existe um pensamento novo para gerir os municípios amapaenses, o que tem afetado o desenvolvimento. Estamos aproveitando um momento próximo a mudanças de gestões para falar sobre isso, diretamente com os gestores", explicou.

 

Fonte: G1