Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Fofoca no trabalho

CFA

Fofoca no trabalho

Comments
por imprensa 02/04/2014 11h41
Táticas radicais de cortar a fofoca pela raiz no trabalho

Confira algumas ações para fugir dos fofoqueiros de plantão e não ser um agente difusor de informações não confirmadas na sua empresa

 

Boca fechada: não seja você o difusor de uma informação que pode se transformar no “zum-zum-zum” do dia, recomenda especialista

 

Elas podem até parecer inofensivas, mas fofocas comprometem a imagem profissional em níveis maiores do que muita gente imagina, além de tornar tóxico o ambiente de trabalho.

O casal que se formou no trabalho, o novo chefe que vai chegar, a vida pessoal de um colaborador que vai mal, o próximo na lista de demissões, os motivos escusos que levaram o analista da sala ao lado ao posto de gerente.

 

Se o seu passatempo preferido no trabalho é espalhar informações não oficiais sobre a empresa e a vida alheia, atenção! Você já pode estar taxado como o fofoqueiro do escritório. E isso não é nada bom para a sua carreira.

 

“Todo mundo sabe quem é o fofoqueiro. E essas pessoas não são bem vistas e perdem a credibilidade”, diz a consultora Marisol Camarinha, do Great Group.

 

Para quem quer fugir deste tipo de comportamento, a consultora recomenda 5 atitudes bem radicais, diga-se de passagem. Confira e faça os ajustes que considerar necessários na sua postura profissional:

 

1. Não ouvir

 

Controle a curiosidade em ouvir a mais recente fofoca que começa a circular no escritório. “Quando ouvimos algo ficamos logo tentados a passar adiante, nem que seja para dizer que não concordamos”, diz Marisol.

 

Segundo a consultora, ao menor sinal da frase clássica “está sabendo da última” seja objetivo. “Use seu melhor sorriso e responda que não quer saber”, recomenda.

 

Radical demais? Para quem não se sente à vontade, o coach Homero Reis recomenda um comportamento mais brando.

 

“Toda ação radical pode até resolver um problema, mas pode criar problemas maiores. Nesse caso corta-se a fofoca, mas perde-se a amizade”, diz.

 

“Se o ouvinte é capaz de fazer perguntas poderosas que indiquem que o que o colega está falando não se sustenta, ela vai contribuir para o desenvolvimento desta pessoa”, diz.

 

Portanto, se a pessoa que vem transmitir a fofoca é alguém com que você quer manter o bom relacionamento, ouça, mas tente mostrar - a partir de perguntas - que trata-se menos de uma verdade e mais uma impressão, recomenda Reis.

 

2. Não revele

 

Optou por ouvir o fofoqueiro?. Quebre o ciclo e não retransmita a fofoca para os outros colegas. As 3 peneiras (cuja a ideia é atribuída ao filósofo grego Sócrates) são ótimos balizadores na hora de decidir se vale ou não repassar uma informação, segundo Marisol.

 

“Só fale ao outro aquilo que for bom, útil e necessário. Se o assunto não passa por estas peneiras, guarde para você”, recomenda.

 

3. Não seja o difusor de informações que podem virar fofoca

 

Muitas vezes, em razão da sua posição na empresa, as notícias chegam. Não seja você o difusor de uma informação que pode se transformar no “zum-zum-zum” do dia. O mesmo vale quando se é testemunha de um fato. Não conte o que viu, não crie terreno fértil para a fofoca.

 

4. Não se omita

 

Nem sempre isso é possível. E é preciso coragem e ousadia para não ser omisso e esclarecer a fofoca diretamente com o seu alvo. “Procure a pessoa e abra o jogo, com respeito”, diz a consultora.

 

Não é preciso revelar ao alvo quem é o fofoqueiro de plantão, mas ao contar que ficou sabendo de uma fofoca que a envolvia e que gostaria de esclarecer o fato, a chance é grande de ganhar um novo aliado.

 

5. Não se comprometa

 

A tática radical recomendada por Marisol é responder a perguntas com outras perguntas. Ao ser inquirido sobre o que aconteceu em uma reunião que já está sendo tema das fofocas de corredor, pergunte: “Por que você quer saber?”.

 

Se ele responder, “por nada", então lhe diga, "então, não há porque saber". Se o fato de já haver comentários for o motivo do interesse a melhor resposta, diz Marisol, é responder: “um bom motivo para ficarmos calados, pois comentários não são bons para a reputação de ninguém.

 

Fonte: Exame