Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / O custo da contratação de um profissional inadequado

CFA

O custo da contratação de um profissional inadequado

Comments
por imprensa 04/11/2013 10h57
Um profissional com perfil inadequado para as funções pode custar até três salários

 

A contratação de um profissional especializado com perfil inadequado para as funções e as necessidades da corporação, durante um ano, pode custar até três salários anuais. É o que revelam os estudos realizados pela Wyser, divisão especializada em recolocação de executivos de nível médio da multinacional de recursos humanos Gi Group.

 

Os estudos sobre os gastos da empresa para contratar e manter um executivo foram realizados com base na experiência da consultoria e com um foco especial em empresas das áreas de finanças, tecnologia, engenharia, vendas e marketing. No Brasil, devido aos altos custos trabalhistas, uma contratação equivocada é ainda mais cara comparado à média geral de outros países. E esta situação é agravada pelas multas aplicadas em caso de rescisão de contrato, segundo Rui Rocheta, CEO da Gi Group Brasil.

 

Base de cálculo

As pesquisas da Wyser tiveram como base de cálculo, os custos da contratação (taxas, impostos, documentação, exames, benefícios, entre outros), horas de treinamento, tempo de adaptação para exercer a função e verbas rescisórias. Os valores variam de acordo com o nível do profissional e as responsabilidades. Mas quando se trata de cargos de liderança, os impactos são ainda maiores, uma vez que alguns aspectos intangíveis são difíceis de serem mensurados, como por exemplo, metas não cumpridas, desmotivação que pode afetar na queda de produtividade, comprometimento de resultados de áreas relacionadas, perda de clientes, entre outros.

 

Como reduzir os riscos

Mesmo sabendo da importância de se fazer uma escolha certa de profissional, o processo seletivo ainda é banalizado por algumas empresas, aponta os estudos. “A escolha ainda é feita com base na experiência que os profissionais trazem e não no que eles realmente são. Talento e experiência não são suficientes se o profissional não estiver ocupando o lugar certo”, observa Rocheta. O executivo ressalta que as empresas podem reduzir os riscos de se fazer uma contratação errada e o desgaste da recolocação com uma boa assessoria de recursos humanos e melhores ferramentas de avaliação, que ajudem a fazer uma escolha mais eficaz dos candidatos.

 

 Fonte: Portal Carreira & Sucesso