Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / CFA / Vida no trabalho

CFA

Vida no trabalho

Comments
por imprensa 09/01/2014 10h56
"É possível ser bem sucedido na carreira sem virar chefe", diz especialista

"É possível ser bem sucedido na carreira sem se tornar chefe", é o que diz Yuri Trafane, professor de gestão e sócio diretor da Ynner, empresa de consultoria e treinamento. De acordo com ele, há empresas que oferecem a possibilidade de crescer profissionalmente sem liderar. 

"Por exemplo, um cientista que continua fazendo pesquisa em vez de liderar pesquisadores, um engenheiro que assume a responsabilidade técnica por projetos mais sofisticados ou um vendedor que negocia com clientes mais importantes sem ter que liderar uma equipe."

Segundo Trafani, a maioria das pessoas acredita que o crescimento profissional está diretamente ligado à promoção para cargos de liderança e esse trajeto é quase obrigatório entre os colaboradores. 

"Por outro lado, o que se nota no mercado atual é que muitos profissionais não almejam liderar e não se sentem confortáveis com isso, mas são movidos pela remuneração", diz. 

Para Luiz Pagnez, headhunter do site Recrutando.com, a definição de sucesso varia muito de pessoa para pessoa. "Se o sucesso está ligado ao reconhecimento financeiro e status, alcançar posições de gestão e chefia será importante." 

Entretanto, para outros profissionais o sucesso não está associado necessariamente a uma posição hierárquica na empresa e sim ao sentimento de realização profissional. 

"[O sucesso] pode estar relacionado à liberdade de fazer o que gosta e ser reconhecido pelo seu grupo social como uma referência naquele assunto, um mestre, um especialista, por exemplo." 

Nesse cenário, o profissional pode se tornar um um consultor técnico, que vende seus serviços especializados para as empresas, sem ter vínculo com elas. 

"A vantagem é continuar fazendo o que gosta sem ter que assumir um papel de chefe ou líder. Mas é preciso assumir uma postura de empresário, correr atrás dos clientes e se sujeitar à instabilidade do mercado e das receitas", diz Trafani. 

Liderar ou não, eis a questão

Para o funcionário, a escolha é decisiva. Se ele assume uma posição de líder e depois tenta retornar para o cargo antes ocupado, pode comprometer sua carreira. 

"Se o profissional continuar na liderança sem gostar daquele papel, ele não terá sucesso. Se retroceder, haverá uma marca profunda no currículo, pois sair da gerência para compor novamente a equipe seria dar um passo para trás", afirma Trafani. 

A solução, segundo o especialista, pode estar em um teste prático que poderá poupar tanto a empresa como o funcionário de uma experiência desgastante. "A empresa pode oferecer ao profissional a chance de vivenciar pequenas experiências de líder. Assim é possível provar essa liderança sem precisar exercê-la de forma irreversível." 

Para a empresa, a escolha errada da liderança também tem resultados ruins. "Perde um ótimo profissional na equipe e ganha um mau gerente", afirma o especialista. 

Recusar cargo de chefia pode quebrar confiança

Segundo Pagnez, outro ponto que deve ser levado em consideração é que, geralmente, quando a empresa oferece uma posição de chefia para um profissional, além das habilidades  técnicas e comportamentais exigidas, existe a questão da confiança. 

"Estão te oferecendo o cargo porque confiam em você. Ao recusar o convite, poderá passar a impressão que 'está deixando a empresa na mão' e pode haver uma quebra de confiança." 

Neste caso, explica o headhunter, o profissional precisa dialogar e explorar alternativas sem deixar transparecer que aquele convite não é interessante para ele. 

Fonte: Uol