Você está aqui: Página Inicial / Serviços / Notícias / [CFA] / XIV FIA - O administrador 50 anos depois: identidade e protagonismo

CFA

XIV FIA - O administrador 50 anos depois: identidade e protagonismo

Comments
por imprensa 20/05/2015 10h54

No segundo dia do XIV Fórum Internacional de Administração (FIA), no Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro, o primeiro painel apresentado foi “O administrador 50 anos depois: identidade e protagonismo”. Subiram ao palco três conferencistas – o presidente do Conselho Federal de Administração (CFA), Adm. Sebastião Luiz de Mello; o Adm. Leandro Vieira; e o Adm. Antônio Chaves. O presidente do Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro (CRA-RJ), Wagner Siqueira atuou como mediador.

Com o auditório lotado, o primeiro a se apresentar foi o presidente do CFA. Sebastião Mello começou a palestra lembrando da trajetória da Administração no país e de como a profissão cresceu, principalmente nos últimos 50 anos, após a regulamentação. Seguindo a linha cronológica dos fatos, ressaltou a necessidade de continuar evoluindo, principalmente na qualidade do ensino superior de Administração.

Encerrado a sua participação, Sebastião listou qualidades que não podem faltar em um profissional de Administração: proatividade; responsabilidade; polivalência; ética; e atenção aos acontecimentos mundiais. “Essas necessidades do mercado de trabalho forjam um profissional que não se contenta mais com instituições que lhes oferecem somente serviços relacionados ao registro e fiscalização profissional, eles querem mais’, afirmou o presidente do CFA aludindo a responsabilidade da autarquia na vida profissional do Administrador. A apresentação do presidente do CFA está disponível na íntegra aqui.

O Adm. Antônio Chaves se pronunciou em seguida e focou na necessidade do protagonismo do Administrador nos diferentes setores da sociedade. De acordo com o Administrador, casos como o da Petrobrás e a crise Hídrica, exemplificam a falta da participação ativa de um profissional de Administração. Chaves também citou a politicagem como problema para boa governança, nesse caso na esfera púbica. “A boa gestão pública deve existir independentemente de partido político. É inaceitável que no Brasil gestores públicos evitem investimentos em projetos de longo prazo por não poderem inaugurar suas obras e assim se promoverem”, exclamou.

Por último quem fez explanações a respeito dos rumos da Administração no país foi o Adm. Leandro Vieira, criador do site Administradores.com. Leandro fez uma analogia entre o renascimento e o ensino, formação e atividade profissional da Administração no Brasil. Concluindo que os gênios renascentistas só existiram devido ao longo e minucioso processo de aprendizado, focou na péssima qualidade de ensino que favorece a formação de profissionais rasos. “80% dos cursos superiores de administração estão entre as qualificações péssimo, ruim e regular. Ou seja, estamos formando profissionais medíocres”, concluiu Leandro.

O painel foi finalizado com rodadas de perguntas aos conferencistas mediadas pelo presidente do CRA-RJ, Wagner Siqueira. Entre os questionamentos o maior foi a respeito do ensino da administração no Brasil com a participação ativa dos professores universitários na plateia. Concluído o debate, todos os palestrantes receberam certificado de contribuição e troféu decorativo em formato de pontos turísticos da cidade do Rio de Janeiro. O XIV FIA segue sua programação no MAM e na casa de espetáculos Vivo Rio até amanhã.

 

Assessoria de Imprensa CFA

Conteúdo
XIV FÓRUM INTERNACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO_ABRIL.pdf by imprensa — last modified 20/05/2015 10h52